sede da confederação nacional dos municípios em brasília

ficha técnica

concurso nacional

local brasília, df
data do início do projeto 2010
arquitetura cristiane muniz, fábio valentim, fernanda barbara e fernando viégas (autores) ana paula de castro, bruno gondo, carolina klocker, eduardo martorelli, luccas matos, roberto galvão jr., filipe barrocas (colaboradores)

Esse projeto resulta de uma reflexão sobre Brasília, plano e realidade.
A identificação de dois programas fundamentais, Escritórios e Auditório, foi determinante para a definição do partido arquitetônico. A operação de elevação suave do terreno acomoda o Auditório e a suspensão em um só piso das Salas de Trabalho garante independência entre eles, unidos apenas pela lâmina de circulação e serviços.
Dois furos quadrados interligam os diferentes níveis da construção, abrindo-se para o céu e para o chão, qualidades do planalto central.

O terreno se localiza na Asa Norte, Setor de Grandes Áreas, e fica a 1300 metros do Eixo Monumental e do Lago.
A proposta para a sede da Confederação Nacional de Municípios consiste em uma intervenção nesse território, confirmando a idéia de continuidade do espaço público.

Na esplanada sombreada estão o Centro Cívico, o acesso ao Auditório e a parada coberta para carros. A praça se desdobra como plano inclinado até o interior do edifício, fazendo deste o lugar de encontro das pessoas vindas de todo o país. A praça cívica foi pensada como uma extensão da cidade, o piso de madeira se estende da rua até a entrada, acomodando os jardins e bancos que surgem nesse percurso.

No térreo a construção aflora, onde estão recepção, biblioteca e café, que se alarga para o terraço. A entrada se interliga diretamente ao foyer e às salas moduláveis através do pé direito duplo, que leva iluminação natural no desdobramento para baixo. A rampa coberta, local de eventos, transforma a praça numa continuidade do foyer interno.

No primeiro subsolo estão localizados o auditório e seus apoios: cabine de som e luz, e de tradução simultânea; o estúdio de radio e tv se localiza no nível intermediário entre o palco e o foyer, e tem visão direta para a sala Esse nível fica abaixo da cota de soleira, permitindo iluminação, ventilação natural e saída de emergência.
O andar abaixo, segundo subsolo, é o primeiro nível de estacionamentos, seguido de mais três andares com paradas de carros.

Junto à espera e recepção, no pavimento térreo, uma escada com pé direito triplo e iluminação natural percorre os andares superiores através de um passeio contínuo, descortinando as vistas. Todas as salas de trabalho estão no mesmo andar, facilitando o cotidiano de trabalho. A planta livre permite diversos arranjos, adequando-se às necessidades de um edifício administrativo.

Esse andar possui iluminação natural controlada em todos os ambientes de trabalho, através das quatro fachadas, do furo quadrado de luz e das clarabóias junto à lâmina de circulação.
A insolação e o calor são reduzidos através da proteção metálica, como combogós. Esses mecanismos simples garantem economia de energia ao edifício, reduzindo a necessidade de utilização de iluminação natural e ar condicionado. Interrupções nas fachadas criam que permitem a vista do lago e da esplanada dos ministérios.

A cobertura compreende a área de descanso e recreação para os funcionários. Equipado com cozinha aberta para o refeitório, o prisma transparente se volta ao sul, para o solário, que é protegido do sol forte pelo pergolado contínuo. A lâmina d’água distancia as pessoas das bordas do edifício, orienta o olhar para longe, contribui para o aumento da umidade do ar neste terraço e funciona como isolante térmico para o piso dos escritórios.

O projeto foi pensado como estratégia de construção, para permitir rapidez na obra e adequação à disposição do programa. Para isso as fundações e os níveis em subsolo são construídos em concreto armado, assim como a lâmina vertical de serviços, que funciona como bloco de travamento dos andares superiores. Os andares de cima são montados em estrutura metálica.

O projeto para a CNM procura fortalecer os espaços de acolhimento, amparo aos encontros, considerando a diversidade dos municípios brasileiros.