casa em joinville

ficha técnica

local joinville, sc
data do projeto 2009
data da conclusão da obra 2013
área do terreno 3.238,00 m²
área construída 432,00 m²
arquitetura cristiane muniz, fábio valentim, fernanda barbara e fernando viégas (autores) ana paula de castro, josé carlos silveira jr., marta onofre, miguel muralha, jimmy liendo, sílio almeida jr., carolina klocker (colaboradores)
estrutura de madeira ita construtora
estrutura de concreto mendes de oliveira
instalações mendes de oliveira
sondagem mendes de oliveira
construção focus engenharia
aprovações airton bassôa frota
fotografias bebete viégas

O terreno dessa casa fica em situação privilegiada, um pequeno morro de mata densa no meio da cidade de Joinville. O acesso é feito por uma via de terra até a cota máxima permitida para construções, possibilitando a vista da serra ao fundo, através das frestas da vegetação.
A forte declividade e a posição das árvores indicaram a implantação, um edifício estreito que acompanha a curva de nível. A solução linear permite continuidade entre os espaços abertos e fechados do pavimento próximo ao chão, numa relação franca com o sítio.
Esse pavimento inferior, que abriga as áreas de estar, piscina e serviços, é construído em concreto. Funciona como a própria fundação que aflora e contem o terreno, protegendo a casa da umidade excessiva.
Um único volume longitudinal abriga as escadas, interna e externa, além dos nichos para lareira, fornos, sanitários e depósito. É todo revestido com "vermelhão", cimento queimado desempenado com pigmento, solução muito popular na região.
O pavimento superior se apóia na base de concreto. Sua construção foi pensada como uma montagem de madeira: estrutura pré-fabricada, pisos, painéis de vedação internos e cobertura. Essa estratégia de obra garante o canteiro rapidamente coberto, evitando o desconforto das chuvas constantes. Nas duas pontas estão os espaços coletivos, escritório e saleta. Os dormitórios se concentram no centro deste andar. Como exceção, um espaço vazio que conecta em pé direito duplo os dois pavimentos.
A envoltória do volume é de vidro. Essa peça ao mesmo tempo transparente e reflexiva, no nível da copa das árvores, fica naturalmente sombreada e se dilui na mata.